domingo, 8 de novembro de 2015

Liberum vivere


Às vezes, não compreendemos porque algumas coisas acontecem em nossas vidas. Fazemos várias suposições, buscando, incansavelmente, por respostas. Quando, na verdade, não há o que responder. Apenas sentir.

O tempo já preparava a situação, mesmo assim, foi tudo tão inesperado. O cenário não condizia com as cenas que seriam protagonizadas. O céu estava nublado. O vento soprava levemente. A vista era encantadora. A natureza se fazia presente.

O silêncio pairava no ar, contudo, as cabeças travavam batalhas. Cada um envolto em seus pensamentos. Havia muito a se dizer, mas não sabiam por onde começar. Até que a primeira pergunta surgiu. Aos poucos, a conversa se estabeleceu. Porém, não conseguiam se olhar nos olhos. As mãos entrelaçadas. Sentados lado a lado.

Entre palavras e pausas, o enredo se desenrolou. Ao fim do primeiro ato, houve apenas um tudo bem e o que aconteceu depois disso, não estava programado. Nenhuma das partes esperava por aquilo.

Desde o começo foi assim. As coisas não caminhavam para o óbvio. Não havia expectativas. Queriam apenas aproveitar a vida. Mesmo com o desfecho, a felicidade que ambos transpareciam era inexplicável. Porque a liberdade é a melhor forma de entrega. 

Srta. Rocha

domingo, 26 de julho de 2015

Inacabado [...]


Essa noite eu sonhei com você. Sonhei que você me olhava de longe na expectativa de saber como eu estava. Por muito tempo ficou ali do outro lado da rua. Me olhando. Observando meus passos. Eu não sabia se falava com você ou não. Afinal, havia se passado tanto tempo desde a última vez que nos falamos e as coisas não tinham terminado muito bem. Mais da minha parte do que da sua, porque eu sempre tive muitas coisas na cabeça. Sempre imaginei muitas situações que, na verdade, nunca aconteceram, mas que eu insistia em acreditar. Talvez como uma forma de aceitar o seu silêncio.

Essa dúvida martelava na minha cabeça. Um misto de orgulho com insegurança. Relembrava todos os momentos que passamos juntos. Assim como todo o sofrimento vivido com o seu afastamento. Contudo, meu coração pulsava acelerado como se quisesse me falar algo. Enquanto travava essa batalha interna, pensava em todas as perguntas que estavam sem resposta. Que talvez aquela fosse a hora de obtê-las. Você estava tão perto. Bastava apenas um pouco mais de coragem para colocar um ponto final em toda essa angústia. Após muito relutar, fui ao seu encontro.

O caminho parecia interminável. Meus pensamentos diziam que eu não deveria fazer isso, porém ao me aproximar, você abriu aquele sorriso que sabia que eu adorava. Nesse instante, a barreira que eu havia construído para me proteger de você veio ao chão. Não conseguia mais controlar a emoção por estar perto de você. Era como se nada tivesse acontecido. Você estava ali me olhando com aqueles olhos encantadores. Visivelmente feliz em me ver. E antes que eu pudesse pronunciar qualquer palavra, eu acordei e assim o sonho se desfez. Mais uma vez inacabado. [...]

Srta. Rocha

quarta-feira, 8 de julho de 2015

Último ato!


Esqueça a estética. Foda-se o que vão pensar. Mas preciso escrever isso num último ato para te enterrar de uma vez por todas no meu passado. É claro que eu ainda penso em você, no entanto, as suas lembranças não me machucam mais como antes. Já consigo conversar com você sem que as lágrimas me venham aos olhos. Durante muito tempo reprimi esse sentimento num esforço inútil de não cutucar a ferida. Mas ela insistia em sangrar. Não havia remédio que fizesse estancar. Confesso que cheguei ao fundo do poço. Vivi dias terríveis. A tortura psicológica era muito grande. Contudo, não era você quem me tortura e sim eu mesma. Eu me culpava por tudo que tinha dado de errado no nosso relacionamento. Me sentia um fracasso por não ter dado certo. Em acessos de fúria, sentia raiva de você por não ter lutado por nós. Enquanto eu afundava na depressão, você estava seguindo a sua vida, sendo feliz. E eu me perguntava: "Como ele me esqueceu tão rápido?" "Será que era amor o que ele sentiu por mim?" Sim, ele me amou, assim como eu o amei, mas esse amor chegou ao fim. Isso mesmo, o amor acabou! Finalmente eu havia entendido que não valia a pena me lastimar. Um ciclo terminava e eu precisava seguir em frente. Às vezes, temos que reconhecer a hora de desistir. Eu já estava desgastada emocionalmente o suficiente. Havia chegado o momento de me recuperar. Aos poucos estou retomando a minha alegria de viver. As mudanças já são perceptíveis. Não tardará a chegar o dia em que tudo isso será apenas parte do meu passado, pois não há sofrimento que dure para sempre. Então, adeus! Foi bom enquanto durou.

Srta. Rocha

domingo, 31 de maio de 2015

Just a dream


Ao abraçá-lo, senti os meus medos caírem por terra. Como se naquele momento toda a minha dor se dissipasse. Mas a minha mente relutava em acreditar que fosse verdade. Eu apenas não queria partir. O abraço encerrava-se. Nossas mãos iam, aos poucos, se soltando. Nossos olhares se encontraram. Algumas palavras de despedidas eram ditas quando, de repente, ele me puxou e me beijou. Nesse instante, foi como se o mundo parasse. Estava absorta naquela sensação. Aproveitando cada segundo antes que aquele beijo acabasse e fosse hora de voltar à realidade. [...]

Srta. Rocha

domingo, 17 de maio de 2015

À deriva


Vive à deriva. Esperando por um naufrágio. Nada mais faz sentido para ela. As cores se foram e no lugar ficou apenas a escuridão. Adentrou o âmago da dor e de lá não quer mais sair. Faltam-lhe forças para lutar. Na verdade, uma causa.

Não sabe como chegou aí. Mas foi ficando. Era um refúgio para a alma. Um lugar só dela. Onde ninguém podia transpassar. Enganara-se ao pensar que os pesadelos não pudessem achá-la. Cada dia uma reminiscência ia visitá-la. Fazendo com que a sutura se abrisse.

Em poucos dias, lá estava a ferida sangrando novamente. Tentou remendar os pedaços, contudo, era em vão. Dessa vez, seria preciso achar a razão do problema ao invés de apenas ignorá-lo. Entretanto, doía muito trazer à tona essas lembranças. Assim, se arrastava.

Procrastinar não adiantou muito. Assim como fantasmas que surgem das sombras, suas perturbações estavam ali. Uma a uma na sua frente. Havia chegado o dia de enfrentá-las. Mas ela não sabia o que fazer. Foi então, que desabou! Afundou em suas próprias lágrimas.

Está acorrentada ao passado. Na esperança de que apareça alguém para tirá-la desse martírio.

Srta. Rocha

domingo, 19 de abril de 2015

É, acabou!


Eu me perdi no momento que te encontrei. Sabia que estava adentrando um caminho sem retorno. Era arriscado desistir, contudo, permanecer seria a minha destruição.

Eu deveria ter fugido. Mas eu não conseguia resistir aos seus olhos. Ah, como eram inebriantes! Por mais que ficasse constrangida, eu não queria me afastar deles. Estávamos ligados.

Mesmo sabendo como eu me sentia, você queria me ouvir falar. Então entre um copo e outro, eu expus meus sentimentos. Foi um ato desesperado. Feito no calor da conversa. Com consequências inimagináveis.

Talvez o anonimato fosse a melhor opção. Assim eu não teria criado expectativas com relação ao que poderia acontecer depois. Se eu não estivesse tão embriagada... Se eu tivesse mantido o plano. Quem sabe, você estivesse comigo agora.

Não sei porque insisto em me torturar com suas lembranças. Talvez você tenha sido o meu melhor delírio. Ainda assim, isso não justifica eu ficar aqui pensando em você enquanto você não quer que eu faça parte da sua vida.

Você partiu sem dizer adeus. Fiquei esperando por uma mensagem de explicação que nunca chegou. Até o dia que eu percebi que você não ia voltar.

Srta. Rocha

sábado, 18 de abril de 2015

Turn the page


Meu coração está em pedaços. O golpe foi mais forte do que eu podia suportar. Eu tentei não me abalar, mas quem eu queria enganar? Sim, isso me afetou de uma maneira que você não pode imaginar.

As lembranças me consomem lentamente. O vazio no peito é sufocante. As lágrimas não dão conta de acalmar esse espírito perturbado. Cheguei ao meu limite. Não aguento essa dor que dilacera. Vivo uma agonia constante. Todos os dias os pensamentos me trazem você à tona. Já não tenho mais do que me livrar, porque tudo o que era seu foi para o lixo.

Ah, como eu queria apagar a minha memória! Quem sabe assim, eliminaria, de uma vez por todas, esse sofrimento. Estou me destruindo. A esperança de dias melhores se dissipou. É como se não houvesse mais luz apenas escuridão. Estou no fundo do poço. Não tenho mais forças para lutar.

Queria seguir em frente. Virar a página e começar uma nova história. Eu sei que somente eu sou capaz de fazer uma alguma coisa, mas estou tão debilitada emocionalmente. Enquanto essa ferida não cicatrizar, eu continuarei a me culpar.

Srta. Rocha

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Waiting for


Quando olhei em seus olhos algo aconteceu
Senti meu coração pulsar mas não como de costume
Afastei-me deles para o meu próprio bem
Mas toda vez que eles se encontravam minhas bochechas coravam
Eu fiquei inquieta, distante
Tentava entender o que se passava em minha cabeça
Ao mesmo tempo que controlava o meu nervosismo
Eu estralava os dedos
Eu mexia no cabelo
Olhava para o nada
Não conseguia me concentrar
Era desconcertante a situação
Mesmo assim eu não queria sair dali
Esperava que você pudesse entender que aquele comportamento não era usual
Que eu só me sentia assim perto de pessoas que despertavam algo em mim
Mas como você poderia saber, se eu não falei?
Eu e a minha mania de achar que as pessoas conseguem adivinhar as minhas atitudes
Enfim, não custava tentar
Quem sabe você adivinhasse
Para minha sorte, você sabia lidar com isso
Pegou-me pela mão e me levou para dançar
Mal sabia você que eu era um desastre dançando
Que minha falta de senso de direção era um perigo para os seus pés
Mas você não se importou com isso e logo estávamos abraçados
Eu seguia o ritmo da música
Entretanto era difícil pensar e dançar ao mesmo tempo
Como ignorar que você estava tão perto de mim?
Foi então que aconteceu
Não me lembro bem o que desencadeou esse ato
Mas quando percebi estávamos nos beijando
Por alguns instantes fiquei fora de mim
Absorta naquela sensação
Aproveitando o momento
Ao abrir os olhos, vi que você estava lá
Nesse gesto senti as barreiras se desfazerem
Não importa o que passou e sim o que pode acontecer
Eu só sei que desse dia em diante eu quero estar com você!

Srta. Rocha

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

The nameless


Algo aconteceu! De repente as nuvens se dissiparam. Continuo perdida, mas sei que não estou sozinha. Eu me sinto estranhamente feliz. Talvez seja a sua presença. Ou as barreiras estejam se desfazendo.

Contudo, ainda é cedo para afirmar o motivo dessa mudança. Até porque, o que eu ganho em apressar as coisas? Nem tudo precisa ser rotulado. O que importa é que esse sentimento é bom e quero mantê-lo comigo. Assim a vida torna-se mais leve.

Enfim, chegou a hora de me livrar de toda a bagagem desnecessária. Preciso de espaço para experiências novas. Porque o passado foi bom, mas o presente é ainda melhor. Portanto, deixe a felicidade fazer o serviço dela.

Srta. Rocha

domingo, 11 de janeiro de 2015

Que eu seja!


Que eu seja sua
Que eu seja minha
Que eu seja antes
Que eu seja depois
Que eu seja mais
Que eu seja menos
Que eu seja começo
Que eu seja fim
Que eu seja dia
Que eu seja noite
Que eu seja sim
Que eu seja não
Que eu seja certeza
Que eu seja dúvida
Que eu seja tudo
Que eu seja nada
Mas que eu esteja com você
Seja você quem for!

Srta. Rocha

domingo, 4 de janeiro de 2015

Segredos da madrugada - o fim


[...] Foi tudo tão rápido. Estava entorpecida em meus pensamentos imaginando o que aquelas palavras significariam para você. Quando tudo aconteceu. De repente, eu estava envolta em seus braços. Nossos lábios entrelaçados. Minhas mãos em seu cabelo. Meu coração batia descompassado. Eu sentia sua respiração acelerar. Era uma sensação arrebatadora ter-te assim tão perto. Naquele momento nada mais importava. Finalmente estávamos juntos.

Srta. Rocha