domingo, 8 de novembro de 2015

Liberum vivere


Às vezes, não compreendemos porque algumas coisas acontecem em nossas vidas. Fazemos várias suposições, buscando, incansavelmente, por respostas. Quando, na verdade, não há o que responder. Apenas sentir.

O tempo já preparava a situação, mesmo assim, foi tudo tão inesperado. O cenário não condizia com as cenas que seriam protagonizadas. O céu estava nublado. O vento soprava levemente. A vista era encantadora. A natureza se fazia presente.

O silêncio pairava no ar, contudo, as cabeças travavam batalhas. Cada um envolto em seus pensamentos. Havia muito a se dizer, mas não sabiam por onde começar. Até que a primeira pergunta surgiu. Aos poucos, a conversa se estabeleceu. Porém, não conseguiam se olhar nos olhos. As mãos entrelaçadas. Sentados lado a lado.

Entre palavras e pausas, o enredo se desenrolou. Ao fim do primeiro ato, houve apenas um tudo bem e o que aconteceu depois disso, não estava programado. Nenhuma das partes esperava por aquilo.

Desde o começo foi assim. As coisas não caminhavam para o óbvio. Não havia expectativas. Queriam apenas aproveitar a vida. Mesmo com o desfecho, a felicidade que ambos transpareciam era inexplicável. Porque a liberdade é a melhor forma de entrega. 

Srta. Rocha